Cadeirinhas de carro para cada idade

As cadeirinhas de carro são importantes pois protegem as crianças em caso de acidentes

  • Crianças de até 1 ano devem ser transportadas no bebê-conforto.
  • Entre 1 e 4 anos, o lugar correto para acomodá-las é em cadeirinhas com encosto e cinto próprios.
  • Os assentos de elevação, que utilizam o cinto de segurança do carro e evitam que ele fique na altura do pescoço da criança, podem ser usados para as de 4 a 7 anos e meio.
  • Acima dessa idade ou a partir de 1,45 metro de altura, o uso do cinto de segurança continua obrigatório, é claro. 

Continuar lendo “Cadeirinhas de carro para cada idade”

Bebê Chiador (Lactente Sibilante)

Bebê Chiador ou Lactente Sibilante é a criança menor de 2 anos que apresenta chiados recorrentes. Os vírus são os principais agentes etiológicos e os sintomas melhoram com o crescimento. Em alguns casos, ocorre a evolução para um quadro de asma.

Crianças pequenas podem ter de 6 a 8 infecções virais por ano e alguns desses vírus estão relacionados com chiado persistente durante a infância.
  • Adenovírus: sua infecção está relacionado a quadros graves de chiado
  • Vírus Sincicial Respiratório: é o vírus responsável pela bronquiolite na infância
  • Rinovírus: é o vírus mais prevalente

Continuar lendo “Bebê Chiador (Lactente Sibilante)”

Prevenção de Quedas

Queda é a maior causa de visita à unidade de emergência. Ocorre em qualquer idade e as lesões decorrentes podem ser extremamente graves.

A maioria das quedas ocorre em casa, acomete crianças de 0 a 5 anos, e estão associadas à ausência de algum cuidador.
Com a supervisão de adultos, modificações do ambiente onde a criança vive, brinca e estuda, e informações claras em produtos de uso infantil, o risco e as lesões decorrentes de quedas podem ter uma redução significativa.

Continuar lendo “Prevenção de Quedas”

Broncodilatadores Inalatórios: Mitos e Verdades

     Os broncodilatadores inalatórios, também conhecidos como Berotec® e Aerolin®, são medicações importantes no tratamento da crise de asma.

O pulmão é formado por brônquios e bronquíolos, que são como pequenos canos que levam o ar até os vasos sanguíneos, permitindo a troca de oxigênio do ar para o sangue. Quadros inflamatórios, que podem ser de causa alérgica (como na asma ou bronquite) e infecciosa (como ocorre na bronquiolite), fazem com que o diâmetro desses canos fiquem menores, dificultando a passagem de ar, causando o chiado ou sibilo (barulho semelhante a um miado de gato), que dependendo da gravidade levam a falta de ar ou cansaço.

 

Diferença entre o brônquio normal e o brônquio inflamado.
Fonte: Word Gate Brasil

 

Os broncodilatadores inalatórios têm esse nome pois dilatam os brônquios, relaxando a musculatura ao redor deles, aumentando seu diâmetro e consequentemente a passagem de ar. Por isso, essas medicações são importantes nas crises de asma.

Formas de apresentação dos broncodilatadores inalatórios:

  • Berotec® ou fenoterol: em gotas, utilizado com nebulizadores e soro fisiológico
  • Aerolin® ou salbutamol: em gotas, utilizado com nebulizadores e soro fisiológico
  • Aerolin® ou salbutamol: em aerossol, utilizado com espaçador e máscara em crianças menores de 3 anos, espaçador e bucal em crianças até 5 anos e diretamente na boca em crianças maiores e adultos (não deixe de conferir o post: Diferentes Tipos de Inaladores)

Muitos pacientes têm muitas dúvidas e medo a respeito dessas medicações. Aqui estão algumas mais frequentes, com as respectivas respostas:

 

1) Os broncodilatadores aceleram o coração?

Sim, eles têm essa ação pois os receptores do nosso corpo que se ligam a eles não se encontram apenas no pulmão, mas também em vasos sanguíneos e no coração. Sua ação no coração é aumentar a frequência cardíaca. Arritmias (batidas do coração em ritmo irregular), infartos ou outras alterações não são efeitos colaterais quando usado nas doses preconizadas. Pacientes com problemas no coração devem consultar o seu médico sobre o uso dessa medicação, pois algumas doenças combinado com o uso dos broncodilatadores aumentam o risco de ocorrência de arritmia.
Lembre-se também que o aumento da frequência cardíaca é um efeito transitório e que esse é um fenômeno que ocorre normalmente durante o dia a dia, como quando fazemos exercícios físicos, quando ficamos ansiosos, entre outros.

 

2) Quem usa broncodilatador pode ficar viciado?

Não! Isso é um mito, essas são medicações que não causam dependência! O que acontece é que pessoas que apresentam crises frequentes e/ou sintomas diários necessitarão com maior frequência dos broncodilatadores. O ideal é que o tratamento de prevenção seja feito para que a ocorrência das crises diminua. Esse tratamento é feito com corticóide inalatório, entre outras medicações.

Continuar lendo “Broncodilatadores Inalatórios: Mitos e Verdades”