Teste do Pezinho: o que avalia?

 

     O Teste do Pezinho é direito de todas os recém-nascido.

O Teste do Pezinho, também chamado de “screening neonatal”, foi instituído em 1976 através de uma lei que instituiu que todo recém nascido tem o direito de realizar esse exame. Esse exame é realizado em laboratórios credenciados pelo Ministério da Saúde e pode ser coletado nas maternidades ou postos de saúde.
A coleta é muito simples: coleta-se algumas gotas de sangue do calcanhar do bebê, com um pequeno furo, semelhante a quando realizamos a glicemia na ponta do dedo. O sangue é colocado no papel filtro e enviado para o laboratório de referência.

Continuar lendo “Teste do Pezinho: o que avalia?”

Como fazer charutinho nos bebês?

     O famoso charutinho, ou seja, enrolar o bebê com cobertor, deixa ele mais calmo pois dá a sensação de segurança pela posição semelhante de quando ele estava dentro do útero da mãe.

 

É uma técnica útil para acalmar recém-nascidos, no entanto, devemos nos atentar para as seguintes considerações para que o charutinho seja feito com segurança, sem risco para a saúde do bebê.

Continuar lendo “Como fazer charutinho nos bebês?”

Orientações para um sono adequado em crianças e adolescentes

     A Academia Americana de Pediatria (AAP) e a Academia Americana de Medicina do Sono (AAMS) lançaram uma nova diretriz padronizando as orientações para sono adequado em crianças e adolescentes. Essas recomendações foram publicadas no Journal of Clinical Sleep Medicine em junho desse ano.

O grupo do estudo recomenda as seguintes horas de sono para promoção da saúde adequada:

  •           Bebês de 4 a 12 meses: 12 a 16 horas em 24 horas (incluindo os cochilos)
  •           Crianças de 1 a 2 anos: 11 a 14 horas em 24 horas (incluindo os cochilos)
  •           Crianças de 3 a 5 anos: 10 a 13 horas por 24 horas (incluindo os cochilos)
  •           Crianças de 6 a 12 anos: 9 a 12 horas
  •           Adolescentes de 13 a 18 anos: 8 a 10 horas

 

Continuar lendo “Orientações para um sono adequado em crianças e adolescentes”

Diarréia Aguda

A diarréia aguda é aquela que dura até 14 dias

No Brasil, ainda é uma das principais doenças que leva a internação em crianças menores de 5 anos. Sua maior incidência é em crianças de 6 a 23 meses.

 A diarréia aguda pode ser causada por:
  • vírus, como rotavírus, adenovírus, entre outros
  • bactérias, como Salmonella, Shiguella, entre outros
  • protozoários, como giardia ou amebíase
  • intoxicação alimentar

Dessa forma, a principal causa da diarréia infantil é infecciosa, sendo os vírus os microorganismos mais comuns! A diarréia com sangue é rara, pode ser causada por vírus mas também por bactérias.

Sintomas e Diagnóstico da Diarréia

  • Febre e vômitos nos primeiros dias
  • Diarréia líquida ou pastosa, com aumento no número de evacuações
  • Sangue nas fezes, prostração ou gemência pode estar associada a infecções bacterianas

O agente etiológico mais comum são os vírus, como enterovírus, rotavírus e adenovírus.

O diagnóstico é basicamente clínico, sendo que exames laboratoriais podem ajudar, principalmente nos casos mais prolongados de diarréia (como a subaguda) ou nos casos mais graves, com sangue ou muco.

Exame de fezes pode ajudar no diagnóstico do vírus ou bactéria que está causando os sintomas.

Tratamento da Diarréia

A principal complicação da diarréia é a desidratação, assim o mais importante durante o curso da diarréia é manter a criança hidratada.
Logo no início deve-se aumentar a oferta de líquidos, privilegiando aqueles com os quais a criança está acostumada. A terapia de reidratação oral (TRO) é o tratamento de escolha para a desidratação, pois ele tem exatamente os componentes necessários para reconstituir o equilíbrio hidroeletrolítico da criança. Os TROs são facilmente encontrados em farmácias.
Para os casos virais não existem medicamentos específicos que combatam os vírus. No caso de bactérias, antibióticos devem ser iniciados.

Medicamentos:

  • Probióticos: micro-organismos vivos que, quando administrados em quantidades adequadas, conferem benefício ao hospedeiro, como Floratil®, Enterogermina®, entre outros
  • Zinco: único tratamento recomendado pela OMS e UNICEF. Reduz a duração e a gravidade do episódio de diarréia, além de diminuir a incidência de diarréia nos dois a três meses seguintes àquele episódio
  • Antibióticos: raramente são necessários, pois na grande maioria dos casos os vírus são os responsáveis pelos sintomas

Orientações dietéticas:

  • Se a criança está em aleitamento materno mantenha-o! Não suspenda o aleitamento, ao contrário, oferte com mais frequencia o peito
  • Oferecer os alimentos que a criança está acostumada. A falta de apetite acompanha a diarréia, assim, oferte refeições em menores quantidades e em maior frequencia
  • Oferecer alimentos com alta valor energético e evitar leites muito diluídos ou com baixo valor calórico
  • Dietas restritivas não reduzem a duração ou a intensidade da diarréia

Manter a criança hidratada é prioridade no tratamento!

As terapias de reidratação oral são a opção ideal no tratamento da desidratação

Sinais para ir ao Pronto-Socorro imediatamente na Diarréia Aguda

  • Criança gemente e prostrada
  • Fezes com sangue ou muco
  • Vômitos persistentes
  • Criança não consegue ingerir líquidos

Fonte: Pediatria em Consultório / Sociedade Brasileira de Pediatria 

 

 

 

 

 

 

Alergia Alimentar: quando suspeitar?

Hoje em dia, muitas pessoas ficam na dúvida se seus sintomas podem ser alergia a algum alimento. Por isso, aqui vamos falar um pouco sobre causa, principais sintomas e quando suspeitar!

Angioedema é um dos sintomas da alergia alimentar

Como desenvolvemos alergia?

Primeiramente a pessoa alérgica já nasce com essa predisposição, os pais são alérgicos e podem transmitir essa característica para os seus filhos… Assim, o sistema imunológico, que é responsável por reconhecer e combater organismos estranhos no nosso corpo (como bactérias e vírus), acabam reconhecendo proteínas comuns do meio ambiente como algo estranho e iniciam uma reação contra elas. Essas proteínas podem ser inalantes, como ácaros e pêlos de animais, ou alimentos. Quando em contato com os mesmos há produção de Imunoglobulina E (IgE), que é responsável por muito dos sintomas alérgicos. Aliás, a dosagem de IgE no sangue é uma das coisas que auxilia no diagnóstico de alergia alimentar.

Continuar lendo “Alergia Alimentar: quando suspeitar?”